ARQUIVO 1

A campanha para governador do Piauí promete ser no "toma lá, dá cá"

O lançamento de Sílvio Mendes como candidato da oposição foi só o início, agora vamos esperar os próximos capítulos

07 de fevereiro de 2022, às 09:00 | Douglas Cordeiro

O lançamento da chapa de oposição, que ocorreu no último sábado (05/02), causou controvérsia, não pelos candidatos lançados, mas pelas declarações do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira.

Em seu discurso e depois durante entrevista à imprensa, Ciro chamou o senador Marcelo Castro (MDB-PI) de leviano e traidor. Afirmou que recebeu uma facada pelas costas e que, durante a última campanha, pediu a prefeitos que o apoiavam para votar no seu companheiro de chapa. Marcelo Castro havia acusado Ciro de barrar emenda destinadas ao Piauí.


LEIA OUTRAS COLUNAS

Alguns candidatos vão ter que desistir da disputa no PT do Piauí

Indeciso sobre a eleição, Dr. Pessoa enfrenta uma "encruzilhada política"


O governador Wellington Dias também não foi poupado. Ciro Nogueira disse que o “reinado” do governador do Piauí está terminando e que chefe do executivo estadual estaria acostumado a mentir.

Wellington respondeu e disse que não vai pelo caminho da baixaria.

“Só peço a Deus que o abençoe”, disse o governador.

Sílvio Mendes também falou sobre as declarações do vice-prefeito de Teresina, Robert Rios, de que não votaria nele e que usaria o resto das suas forças durante a campanha para derrotá-lo.

“Eu tenho coisa mais importante para fazer”, disse Sílvio sobre a posição de Robert.

Desde a última eleição, o Brasil está mergulhado em uma polarização política que tem gerado agressões nas redes sociais e troca de farpas entre os membros dos três poderes.

Fica a expetativa em relação a eleição no Piauí. Vamos surfar nesta onda ou nossos candidatos vão trilhar o caminho do debate de ideias e apresentar propostas para os problemas dos piauienses? Quem viver, verá.

Ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira


POUCAS E BOAS

O CONVITE ESTÁ FEITO

Já comentamos sobre a federação que está sendo formada entre PT, PSB, PC do B, PV e REDE. Com aproximação destes partidos, vários candidatos do PT terão que renunciar a suas candidaturas. Mas não será por falta de partido que eles não disputarão a eleição. O presidente do SOLIDARIEDADE, Evaldo Gomes, disse que todos são bem-vindos a sigla.

E AGORA, TERESA?

Em entrevista a jornal O Dia News, da O Dia TV, o deputado Franzé Silva disse que todos os candidatos dos partidos que pertencem a coligação que vai apoiar a candidatura de Lula, têm que se adequar a realidade. Na verdade, o recado foi para a deputada Teresa Brito que faz parte da oposição.

SINUCA DE BICO

O deputado Estadual, Gessivaldo Isaías, assim como ocorreu em 2018, enfrenta dificuldades para permanecer na base governista. Seu partido, o REPUBLICANOS, é da base de apoio do presidente Jair Bolsonaro e com a possibilidade de indicar o candidato a vice na chapa bolsonaristas, a situação está mais difícil ainda.

COMO EXPLICAR?

Sobre a volta dos trabalhos na Assembleia Legislativa, o presidente Themístocles Filho disse que adotar o trabalho remoto vai gerar críticas da população. Segundo ele, como explicar que o deputado não pode comparecer ao plenário, por conta da COVID-19 e faz campanha no interior do Estado?

MUDANÇA MAIS OU MENOS

O vereador Edson Melo, do PSDB, disse que pode se filiar ao PL. Mas rapidamente deixou claro que mudança de partido seria para votar e apoiar Sílvio Mendes e não o presidente Bolsonaro.


REDES SOCIAIS

VÍDEOS MAIS VISTOS