ARQUIVO 1

Indústria do Piauí mostra recuperação apesar da pandemia

O critério de aumento no número de empregados, passou de 2,4% em setembro para o percentual 3,9% em outubro

30 de novembro de 2021, às 17:00 | Editoria Mais Notícias

A Federação das Indústrias do Estado do Piauí (FIEPI) divulgou o resultado da Sondagem Industrial feita em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI). A pesquisa foi aplicada no mês de novembro com dados referentes ao mês outubro de 2021

O mês de outubro iniciou numa tendência otimista na maioria dos cenários atuais. Ganha especial destaque o aumento significativo nos percentuais do Nível de Utilização da Capacidade Instalada em relação ao Usual e a Estabilidade no Número de Empregados. O único indicador que teve um pequeno decréscimo foi o de Estoque de Produtos Finais das Empresas em Relação ao Planejado/Desejado, passando de 39% em setembro para 35,3% em outubro de 2021. Essa redução percentual não evidencia preocupação, pois com a proximidade do final de ano é natural a queda nesses estoques.

Na análise das perspectivas para os próximos 6 meses (cenário futuro) das indústrias pesquisadas no Piauí, os índices de outubro foram mais tímidos que os do mês anterior, com exceção da intenção de investimento que teve percentual superior neste mês de outubro de 2021.

CENÁRIO ATUAL

O volume de produção das indústrias piauienses em relação ao mês anterior teve sua estabilidade em 66,7%, o melhor percentual desde janeiro de 2021. No Nordeste, essa estabilidade reduziu passando de 55,7% em setembro e fechando outubro em 52,6%.

O nível de utilização da capacidade instalada em relação ao usual (UCI) - critério igual ao usual, no mês de outubro foi 80,4%, também o melhor percentual já registrado no ano. Este índice em setembro foi de 58,5%. Apesar de tímido, o Nordeste mostrou um acréscimo, passando de 56,7% em setembro para 57,6% em outubro.

O indicador de evolução do número de empregados mostrou em outubro um percentual de estabilidade de 74,5% no Piauí, aproximando-se do melhor percentual medido no ano de 2021, que foi maio, com 80,4%. Este índice recuou no Nordeste de 74% em setembro para 70,9% em outubro.

O critério de aumento no número de empregados, passou de 2,4% em setembro para o percentual 3,9% em outubro no Piauí, demonstrando que a indústria contratou mais neste mês avaliado. Em percentual menor, esse aumento também ocorreu no Nordeste, em setembro foi de 12,6% e outubro: 12,8%.

A queda no número de empregados registrou em setembro o percentual de 26,8% no estado do Piauí, índice maior que o mês atual (outubro), que foi de 21,6%, o que significa que no mês de outubro um percentual menor de empregados das indústrias extrativas e de transformação foi demitido. No Nordeste, a queda na evolução do número de empregados passou de 12,4% em setembro para 15% em outubro.

O estoque de produtos finais da empresa em relação ao planejado/desejado no critério “iguais aos planejados” recuou de 39% em setembro para 35,3% em outubro. Essa redução não se mostra preocupante dada a sazonalidade da época (final de ano). Essa queda também foi percebida na região Nordeste. Em setembro o estoque de produtos finais iguais ao planejado foi de 46%, recuando em outubro para 44,6%.

PERSPECTIVAS PARA OS PRÓXIMOS 6 MESES

As perspectivas para os próximos 6 meses de aumento da demanda por produtos apresentou percentual de 33,3% neste mês de outubro de 2021, índice inferior ao do mês de setembro que foi de 51,2%. Essa redução na perspectiva de demanda por produtos ocorreu também no Nordeste. Enquanto setembro apresentou o percentual de 40,2%, o de outubro foi de 35,3%.

O indicador de expectativa de aumento no número de empregados reduziu no Piauí e no Nordeste. No Piauí passou de 14,6% em setembro para apenas 9,8% no mês de outubro. Os índices da Região Nordeste foram de 19,3% em setembro e 16,8% em outubro.

A expectativa de aumento nas compras de matéria-prima para os próximos 6 meses também recuou neste mês em relação a setembro. No Piauí em setembro o percentual foi de 39%, reduzindo para 27,5% em outubro. No Nordeste foi de 33,6% em setembro e de 31,6% em outubro.

Para os próximos 6 meses a intenção de investimentos das indústrias que responderam “sim, provavelmente” mostra leve aumento quanto a intenção de novos investimentos. O percentual das indústrias que tem alguma intenção de investir passou de 22% em setembro para 25,5% em outubro. No Nordeste a tendência aumentou, passando de 41,9% em setembro para 43,1% em outubro.